Andrey do Amaral: agente literário, autor, professor de literatura

Minha foto
Brasília, Distrito Federal, Brazil
Andrey do Amaral (1976), professor de literatura, licenciado em Letras com pós-graduação em Língua Portuguesa, Gestão Cultural, Educação a Distância, Acessibilidade Cultural e um MBA em Marketing. Com seu trabalho, recebeu — entre outros — prêmios da Fundação Biblioteca Nacional (2002), Ministério da Cultura (2008), Fundação Casa de Rui Barbosa (2010), Letras Nordestinas (2011). Além destes, a Vara de Infância e Juventude do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) concedeu-lhe um prêmio por suas iniciativas de projetos socioculturais (2014). Seus livros autorais foram publicados pela editora Ciência Moderna. Dedica-se à pesquisa da vida/obra do poeta paraibano Augusto dos Anjos. Presta consultoria sobre projetos sociais e editoriais, desenvolvendo produtos nessas áreas. Trabalhou nas Diretorias de Direitos Intelectuais e de Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas, ambas do MinC. É parecerista de projetos culturais do Ministério da Cultura, das Secretarias de Cultura do Distrito Federal e do Estado do Mato Grosso do Sul e dos municípios de Uruaçu-GO, Campo Grande-MS e Lages-SC. É também agente literário de grandes autores nacionais.

O que fazemos?

Venda de livros. Agenciamento literário sustentável, pensando em acessibilidade e no fomento cultural. Consultoria e representação. Promoções, matérias, reportagens, indicações, nossos autores agenciados, licitações, prêmios literários, orientação, dicas sobre publicação e muito mais.

Clique no banner e compre na Livraria Cultura

sábado, 16 de fevereiro de 2013

II Encontro Nordestino de Cordel

É tempo de celebrar. Aconteceu no Teatro da Caixa, em Brasília/DF, entre os dias 13 e 16, uma programação intensa com estudos, debates e oficinas sobre a atividade dos cordelistas e repentistas. Uma das conquistas desde o I Encontro foi o reconhecimento da profissão de cordelista pelo Ministério do Trabalho. Entre outros temas, um dos mais importantes debatidos no evento foi a literatura de cordel como negócio. O que antes era visto como algo amador, com publicações aquém da qualidade dos textos, agora os poetas já se pensam em trabalhar como profissionais, seja com editores, agentes literários, produtores gráficos, transformando o ofício em algo rentável e sustentável. Embora a orgnização do evento não tenha convidado oficialmente o setor do livro Ministério da Cultura, estivemos presentes a Coordenadora-Geral de Leitura Cleide Soares e eu (agente literário/MinC). Eu e a Cleide estamos cedidos para a Fundação Biblioteca Nacional como servidores públicos. Que venha o III Encontro. Estamos aguardando.

PUBLICIDADE: Compre no Submarino clicando aqui